Motorsports
Dakar 2015 – Mais de 9 mil km de desafios aos nossos pilotos

21 January 2015

Dakar 2015 – Mais de 9 mil km de desafios aos nossos pilotos

Pela sétima vez consecutiva, o Rally Dakar voltou a acontecer aqui na América do Sul, e nesta 37a. edição da prova, seus organizadores procuraram conferir à competição uma volta às suas origens, com um roteiro duro, pontilhado de desafios, talvez até maiores do que quando a prova era na África: travessias em altitudes na Cordilheira dos Andes, dunas gigantescas no Chile, calor de matar no interior da Argentina e frio e aridez no altiplano boliviano, onde os competidores, além do ar rarefeito, ainda tiveram de duelar com a chuva e o sal do Salar de Uyuni – tudo isso, ainda somado ao fato desta ter sido uma das etapas maratona, nas quais os pilotos não podem contar com o suporte de seus mecânicos.

.

A METZELER, como não poderia ser diferente, esteve na prova oferecendo seu suporte técnico e pneus ao piloto Hélder Rodrigues, além de ter firmado uma parceria com o time HSA (Honda South America), que pela primeira vez na história da marca japonesa, formou uma equipe somente com pilotos sul-americanos para enfrentar o Dakar. A esquadra era formada pelo brasileiro Jean Azevedo e pelo chileno Daniel Gouet e por mais três argentinos: Pablo “Cacha” Rodriguez, Javier Pizzolito e Demián Guiral.

.

A prova largou no dia 4 de janeiro, em frente à Casa Rosada, sede do governo argentino, e seguiu cortando o interior portenho no sentido norte, cruzando a Cordilheira dos Andes, entrando no Deserto do Atacama e de lá, rumou para a Bolívia, fazendo depois o caminho inverso até retornar à Buenos aires no dia 17.

.

Vencendo duas etapas, o português Hélder Rodrigues foi o melhor entre os “METZELER Riders“, finalizando na 12a posição – e somente não foi melhor em razão de um começo de prova bastante atípico para a sua tocada. O argentino Javier Pizzolito finalizou em 19o e Jean Azevedo, em 22o – o brasileiro não foi melhor por ter ter ficado parado cerca de uma hora resolvendo um problema na radiador de sua CRF 450 Rally, que explodiu no Salar de Uyuni devido ao sal que acumulou-se nesta peça e impediu sua troca de calor (ele a colou com um durepóxi que carregava na pochete).

.

Infelizmente, três de nossos guerreiros ficaram pelo caminho. Pablo “Cacha” Rodriguez foi o primeiro a dar adeus e sequer largou no segundo dia, após ter tido um problema na roda traseira de sua moto no primeiro dia, o que o fez ser o último a cruzar a linha de chegada na primeira etapa. Demián Guiral e Daniel Gouet foram outras duas vítimas do deserto de sal e ficaram pelo caminho na oitava etapa.

.

Confira alguma das imagens de nossos pilotos na prova.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *